#DICASZEN, Alimentação

A importância dos alimentos sem conservantes

Quem nunca ouviu a expressão “desembale menos, descasque mais” ? Pois é, esse é um dos grandes hábitos a serem mudados por quem busca uma alimentação saudável.

No mundo atual, onde as pessoas estão cada vez mais sem tempo, devido às inúmeras tarefas, com dias corridos, pouco tempo sobra para investir no preparo de refeições naturais e acabam optando por refeições semi-prontas.

Porém, isso pode trazer diversos problemas futuros de saúde, devido aos produtos industrializados possuírem grande quantidade de conservantes, corantes e aromatizantes.

Pensando nisso, preparamos esse conteúdo para lhe mostrar como os conservantes agem no organismo, os seus malefícios, benefícios e as alternativas de conservantes naturais, para você ter uma vida mais saudável.      

Afinal, o que são os conservante?

São substâncias químicas (naturais ou sintéticas), que adicionadas aos alimentos aumentam sua vida útil. Além disso, são classificados como aditivos, pois seu único objetivo é conservar sem alterar as propriedades físicas, químicas e nutritivas dos alimentos.

Basicamente, os conservantes inibem a proliferação de fungos, bactérias, leveduras e qualquer outra reação química que possa tornar o alimento inapropriado para o consumo.

Tipos de conservantes: 

Inibidores enzimáticos: São conservantes que inibem as enzimas que modificam as características dos alimentos, impedindo que elas acelerem a alteração do estado físico e químico dos alimentos.

Antimicrobianos: São aditivos que inibem ou matam os microorganismos que possam alterar a qualidade do alimento.

Antioxidantes: Reduz a oxidação do alimento quando em contato com o oxigênio, conservando as características do alimento por mais tempo.

Os conservantes trazem benefícios?

 Se você acha que não, está um pouco enganado. Sim, os conservantes têm benefícios. Afinal, sem eles muitos alimentos estragariam em dias ou em horas. Poucos sabem, mas existem conservantes criados pela natureza e não pelo homem. Nós seres humanos, produzimos diversos tipos de conservantes naturalmente, tais como, lisozima através das nossas lágrimas que são utilizados na conservação de queijos e vinhos, entre outros.

Além disso, uma bactéria extremamente perigosa, capaz de matar o ser humano em até 24 horas, causadora do Botulismo, geralmente formada na carne, tem como prevenção o uso de conservantes, para evitar a sua proliferação. Porém, devemos ficar atentos aos limites ingeridos desses conservantes na carne.

Os malefícios dos conservantes:

Considerado um dos grandes vilões da saúde, os conservantes são popularmente conhecidos assim não é atoa. Vejamos agora alguns malefícios que fazem jus a isso:

Como falado anteriormente, alguns conservantes são utilizados em combate a uma bactéria perigosa conhecida como Clostridium botulinum causadora do Botulismo, porém os principais conservantes utilizados nas carnes para combate-lo são o nitrato e nitrito, que além de serem cancerígenos, quando consumidos em excesso alteram a ação da hemoglobina, transformando-a em outra molécula, que não transporta o oxigênio com a mesma eficácia.

Como solução, o ideal é o consumo de carnes frescas que estão conservadas através de refrigeração, sem aditivos para conservação. 

Além disso, algumas doenças estão sendo associadas ao consumo de conservantes como: distúrbios, aumento do risco de doenças inflamatórias no intestino, obesidade e intoxicação.

Por fim, qual melhor alternativa?

Como vimos, os conservantes são essenciais para manter a vida útil dos alimentos. Sem eles, provavelmente não seria possível consumi-los. Entretanto, conservantes sintéticos, feitos de aditivos químicos, trazem diversos malefícios ao nosso organismo, o principal deles é o câncer. 

Como solução, vejamos agora algumas opções:

Congelamento

O método mais utilizado para conservação. Ao congelar o alimento, a água presente fica menos acessível aos microrganismos, fazendo com que eles diminuam suas ações, consequentemente, aumentando a validade do alimento. 

Selamento a Vácuo 

Muitos microrganismos precisam do oxigênio para sobreviver. Ao realizar o selamento, retirando o oxigênio, o crescimento desses microorganismos será impedido, mantendo assim a vida útil do alimento.  

Desidratação

Devido ao fato de muitos microorganismos necessitar de água para sobreviver, o método de desidratação (retirada da água) impedem seu crescimento. A utilização do sal para a realização da desidratação é um método muito antigo e eficaz, mas existem outras formas de desidratação.

Conservantes naturais   

Tudo que a natureza nos dá sem dúvida é o melhor e mais saudável. Existem na natureza, diversos conservantes, entre eles a vitamina C que é um ótimo antioxidante e está presente em diversas frutas.

Além dela, podemos utilizar o cravo-da-índia que também é um ótimo antioxidante.

A canela é também uma outra opção de conservante natural. Além da função aromática possui funções de fungicida e inseticida, além de ser ótima para perda de peso. 

Apenas meia colher de chá de canela ajuda a equilibrar o açúcar no sangue após as refeições. Isso impede que a insulina aumente e estimule o acúmulo de gordura no corpo.

 

Confira nossos produtos!

Deixe uma resposta